Subsídio de vereadores que vão assumir em 2017 em Taboão é mantido em R$ 10.021,17

0
275

Com votação para diminuição do subsídio dos vereadores e do número de cadeiras para a próxima legislatura, o debate confuso, desgastante e acirrado entre oposição e situação durou quase 14 horas e decidiu não aumentar e nem diminuir o valor do subsídio dos vereadores da próxima legislatura (2017-2020); o número de cadeiras também não foi alterado e permanece em 13

Por Ana Rodrigues

Como uma verdadeira “queda de braço” a sessão da Câmara Municipal de Taboão da Serra da última terça-feira,05 dura quase 14 horas
Como uma verdadeira “queda de braço” a sessão da Câmara Municipal de Taboão da Serra da última terça-feira,05 dura quase 14 horas
A incomum sessão aconteceu nesta terça-feira, 05 e teve início às 10h30, um verdadeiro embate entre os vereadores que eram a favor e os que eram contra a fixação do subsídio (salário) para a próxima legislatura. Em meio a esta situação, o atual chefe do governo, vereador Eduardo Nóbrega (PSDB), juntamente com o presidente da Câmara José Aparecido Alves (Cido) (DEM), apresentou uma emenda com a proposta de diminuir o auxílio para R$ 990,00.
O presidente da Câmara afirmou ser a favor da diminuição do subsídio, pois como farmacêutico, não depende do salário de vereador para se manter, o mesmo citou a votação como histórica, e parabenizou a maturidade da casa.
Na constituição, em cidades com mais de 200 mil habitantes, como é o caso de Taboão da Serra, o salário dos vereadores deve ser de até 50% dos subsídios pagos aos deputados estaduais, ou seja, até R$ 12.600, segundo a regra, é permitida votação pelo reajuste.

Também foi sugerido pelo chefe de governo, a diminuição do número de cadeiras de vereador de 13 para 9, o que quase foi aprovado, junto com a emenda de diminuição do salário dos parlamentares, em meio a muitas pausas para reuniões internas dos líderes, onde estes, tentavam um comum acordo.

Depois de muitos debates e longas discussões, os vereadores da Câmara Municipal decidiram que não haverá aumento, nem diminuição no subsídio dos parlamentares na próxima legislatura (2017-2020), mantendo o valor atual de R$ 10.021,17. Também não alteraram o número de cadeiras que continuará sendo de 13 vereadores, já passava das 23h quando aconteceram as aprovações por unanimidade.

“A oposição e a situação apesar das divergências conseguiram separar os temas e buscar o consenso”, disse Eduardo Nóbrega.

Polêmico, o vereador Moreira afirmou que nesta sessão, os três vereadores (Moreira, Luzia Aprígio e Luiz Lune) valeram por 10, e para ele, quem venceu esta queda de braço foi a oposição. “Quem ganhou hoje foi a população. Esperamos que essa economia seja revertida em benefícios para a população. Que tenha mais medicação e não o que vimos ontem no PSI. O vereador é pago e bem pago para ir onde o povo está”, disse.

O vereador se referiu ao ocorrido nesta segunda-feira,0 4, quando o prefeito em pessoa fez um BO de perturbação da ordem contra este vereador, pelo fato dele ter comparecido, junto com o ex-vereador Aprígio ao PSI Santo Onofre, após receber denúncias da população e ir averiguar o porquê da demora e do caos nos atendimentos naquela noite.
Moreira disse ainda que vai ao PSI quantas vezes achar necessário, pois é o papel constitucional do vereador fiscalizar o poder público, e que em momento algum tratou mal qualquer funcionário do PSI, pois sabe das más condições de trabalho que eles têm, e que não se sentirá intimidado por “BOs”. “Querem me calar, mas não vão conseguir, pois esta voz que aqui vos fala é a voz do povo, é por ele que eu falo”, afirmou o vereador.
O vereador André Egydio (PSDB) definiu a sessão deste dia como uma aula de Legislatura e de política. E disse: “Todos aqui estão preparados para um próximo mandato. O povo de Taboão está bem representado, demos um exemplo de democracia”.

Para Marcos Paulo a sessão demonstrou maturidade da casa. “O parlamento é vivo dinâmico e tenho certeza que a manutenção do subsídio atende o que espera a população. Nessa sessão histórica cada um de nós saímos vencidos pelo convencimento”, disse.

O prenúncio da redução de subsídio e do número de cadeiras, teve repercussão também entre os pré-candidatos a vereador, tanto, que alguns estiveram na Câmara para acompanhar a sessão e questionar a proposta, o que causou um verdadeiro alvoroço na casa.

Com menos repercussão, mas também votado e aprovado nesta sessão, o projeto do vereador Marco Porta, que pretende realizar na cidade a “Semana Educativa de combate aos Crimes de Internet”, o projeto foi muito elogiado pelos vereadores.

Propaganda

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*