População fica revoltada com atrasos na obra do Corpo de Bombeiros

0
209

Uma explosão de gás deixou três pessoas mortas no Jd. Vila Sônia e um sobrado foi totalmente destruído em um incêndio no Intercap

Taboão da Serra registrou dois graves acidentes que fez a população se revoltar ainda mais com o atraso da obra do Corpo de Bombeiros que era para ter sido entregue em setembro de 2015.

Explosão de gás deixou três pessoas mortas na Rua Carlos Grott, no Jd. Vila Sônia.
Explosão de gás deixou três pessoas mortas na Rua Carlos Grott, no Jd. Vila Sônia.

No primeiro acidente, um gás explodiu na rua Carlos Grott, no Jd. Vila Sônia na manhã de quarta-feira, 09, e três mortes deixaram toda a comunidade comovida. A empregada doméstica Maria Edilza Costa de Jesus de 55 anos e Thaís Aparecida Costa de Jesus, 22 anos, foram as vítimas fatais do acidente. Paulo Cesar Manoel Filho, de 23 anos, ficou internado no Hospital das Clínicas, mas teve falência múltipla dos órgãos e morreu. A quarta vítima foi a estudante Franciele Costa da Silva de 16 anos, irmã de Thaís e filha de Edilza sofreu ferimentos no corpo e foi liberada no mesmo dia. Uma rede de solidariedade se mobilizou para fazer doações de roupas e sapados para a menina.
A vizinha Sandra denunciou que o resgate do Corpo de Bombeiros demorou mais de 35 minutos para chegar ao local e que talvez poderiam ter sido salvas as vidas que se perderam. “Quem começou o socorro fomos nós mesmos. O Corpo de Bombeiros demorou mais de 35 minutos para chegar aqui. A gente não tinha equipamento, mas mesmo assim muita gente veio ajudar. Chegamos a ouvir a voz da Thais”, falou emocionada.

Sobrado no Intercap, em Taboão da Serra, ficou totalmente destruído por incêndio
Sobrado no Intercap, em Taboão da Serra, ficou totalmente destruído por incêndio
Outro acidente registrado na tarde de domingo, 13, foi um incêndio que deixou destruído um sobrado na Rua Iracema Cerqueira dos Santos, no Intercap, mas não houve feridos. De acordo com os relatos dos moradores, eles disseram que o incêndio pode ter sido causado por um curto circuito, mas os Bombeiros não confirmaram essa informação. A Defesa Civil fez interdição no local o imóvel passou por vistorias na segunda-feira, 14. O laudo sobre o incêndio deve ficar pronto em 30 dias.

Obras da Unidade do Corpo de Bombeiros de Taboão continuam paradas

Obra da unidade do Corpo de Bombeiros totalmente parada no Jd. São Judas
Obra da unidade do Corpo de Bombeiros totalmente parada no Jd. São Judas

A prometida unidade do Corpo de Bombeiros em Taboão da Serra continua sem sair do papel. Quem passa pelo Jd. São Judas vê no terreno doado para a construção do equipamento totalmente abandonado, cheio de mato, e como alguns leitores enviaram ao Jornal Hoje até possíveis focos do mosquito que transmite a dengue, chikugunya e o Zika.
Era para a obra ter sido entregue em setembro de 2015, mas a obra foi interrompida e o contrato com a empresa Millanez que levou R$ 150 mil foi reincidido. Deveria ter sido aberto outro processo de licitação, mas não recebemos nenhuma resposta sobre o processo da Prefeitura de Taboão.

O comandante Roberto Lago do 18º GB de Barueri, responsável pela obra de Taboão, esclareceu em nota oficial ao Jornal Hoje que “De fato o contrato do Governo do Estado, através do Corpo de Bombeiros, com a empresa “Milanez engenharia Ltda” para a construção de um posto operacional do Corpo de Bombeiros no município de Taboão da Serra foi rescindido de forma unilateral por descumprimento de prazos e medições por parte da citada empresa. É fato que novo certame licitatório deverá ser realizado, o que ainda não ocorreu”.

Lago também afirmou que “o município continuará a ser atendido pelos postos operacionais dos municípios vizinhos até que se conclua a instalação do serviço.

Com relação ao canteiro de obras que se encontra parado, o comandante disse que iria tomar as providências de vistoria e limpeza para evitar acúmulo de água e consequente surgimento de focos de larvas de mosquitos.
Outro problema que questionamos foi sobre os 10 bombeiros que passaram no concurso público e fizeram um curso que em novembro de 2014 completou um ano e Lago respondeu que “quanto aos Bombeiros Civis Municipais, seu emprego efetivo só pode ser realizado pelo Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo por ocasião do início dos serviços no município, e a contratação desses é regulada pela Prefeitura Municipal.

Enquanto isso não acontece, os concursados continuam sofrendo com o impasse, pois tiveram que pedir demissão de suas atividades na esperança de assumir a vaga, mas até agora nada da obra acontecer.

Propaganda

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*