Polícia indicia ex-assessor de Ney Santos por lesão corporal grave a jornalista

0
141
O jornalista Gabriel Binho, no destaque, vai entrar com um processo indenizatório, pois perdeu sua moto e está impossibilitado de trabalhar – Foto: Foto: Reprodução da Internet

A polícia ainda não encerrou o inquérito que apura a tentativa de assassinato do jornalista Gabriel Barbosa da Silva, o Binho que ocorreu na madrugada do dia 28 de dezembro, e o sub-secretário municipal de Tecnologia e Comunicação de Embu das Artes, Renato Oliveira é indiciado junto com o agente penitenciário Lenon Roque por lesão corporal grave.
O agente penitenciário Lenon Roque, que é segurança de Renato, teria atirado contra Binho. O i30 usado no crime foi apreendido pela polícia. Renato foi à Delegacia Central de Embu no fim da tarde de sexta-feira, 16.
O delegado deve concluir o Inquérito ainda nesta semana. Para a Polícia Civil, o sub-secretário municipal de Tecnologia e Comunicação de Embu das Artes, Renato Oliveira, dirigia o carro Hyundai i30 que derrubou o jornalista e chargista do site de notícia regionais Verbo Online. A polícia não encontrou indícios de tiros no atentado, apenas a confirmação do jornalista. Para os policiais, a tentativa de homicídio fica desqualificada.
Em entrevista exclusiva ao Hoje, Binho fala em recorrer, já que para ele o ocorrido não se enquadra em lesão corporal, mas sim tentativa de homicídio. “Ele ficou duas horas me observando na praça enquanto eu estava reunido com o pessoal do bloco carnavalesco Desbundasartes, as câmaras do circuito de segurança mostram bem. Ele esperou eu colocar a blusa e o capacete e me seguiu. Ou seja, foi tudo premeditado. E assim, você bater em uma pessoa em uma rodovia, eu acho que ele não quis só me assustar, e no mínimo eu esperava a prisão preventiva dele”, explicou.
Sobre a decisão da Polícia que classificou o ato como lesão corporal grave, Binho vai entrar com processo civil, já que está impossibilitado de trabalhar e além disso, perdeu sua moto. “Eu sofri danos graves, estou parado, sem trabalhar, perdi minha moto, a situação está bem complicada”.
Na tarde de segunda-feira, 19, o prefeito Ney Santos exonerou Renato Oliveira. Em nota publicada, a Prefeitura de Embu das Artes esclareceu que teve acesso ao inquérito policial apenas na segunda-feira, 19. A prefeitura lamentou o ocorrido e em respeito a todos os representantes da imprensa e reiterando seu apreço aos profissionais da categoria, exonerou nesta data o secretário adjunto, Renato Oliveira de seu cargo até o encerramento do processo judicial.
Renato Oliveira e Lenon Roque não foram encontrados pela reportagem. Eles responderão em liberdade, se condenados podem pegar de 2 a 8 anos de prisão.

Propaganda

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*