Justiça fecha o cerco entorno da prefeitura e da SPDM

0
212

Seccional de Polícia vai investigar o caso. Fernando Fernandes teria descumprido um despacho da Desembargadora do Tribunal de Justiça do Estado

Dr. Nancime Salomão Mansur, diretor da SPDM e prefeito Fernando Fernandes assinaram o contrato emergencial, em 2013
Dr. Nancime Salomão Mansur, diretor da SPDM e prefeito Fernando Fernandes assinaram o contrato emergencial, em 2013
A Desembargadora da 12ª Câmara de Direito Criminal, do Tribunal de Justiça do Estado das São Paulo – TJ, Angélica da Almeida determinou a abertura de Inquérito Policial para investigar o contrato da Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina – SDPM com a Prefeitura Municipal da Taboão da Serra.

De acordo com o despacho da Desembargadora, o prefeito Fernando Fernandes (PSDB) teria desrespeitado um pedido de informação do conteúdo do contrato emergencial em que a prefeitura fez com a SPDM em primeiro de abril de 2013.
Agora, o prefeito tem 10 dias para responder as perguntas da Justiça. O pedido faz parte de um processo de crime de prefeito que o TJ investiga contra o prefeito Fernando Fernandes (PSDB). A Desembargadora Angélica de Almeida, da 12ª Câmara de Direito Criminal, disse em seu despacho, no dia 24 de março, que a prefeitura tem que explicar o contrato emergencial fora do prazo estipulado por lei e aditamentos sem publicações. Como isso não aconteceu, a Desembargadora determinou a abertura de um Inquérito Policial.

A saúde é uma questão discutível, nos últimos meses onze pessoas morreram por possíveis erros médicos, que são contratados pela SPDM. Os vereadores vêm debruçando em cima da matéria há muito tempo.
Em abril de 2014, o Jornal Hoje em notícias fez uma série de reportagens sobre a SPDM e sua forma de gerir a saúde pública em outros municípios. Na época, o presidente da casa, vereador Eduardo Nóbrega (PR) falou em tribuna que o “jornal vem com uma matéria muito bem elaborada”. Ele tinha a “certeza que o jornalista não iria escrever se não tivesse investigado, mas que era cedo para a abertura de uma CPI”, disse o vereador na época. Ele foi mais além, “se houver alguma coisa no contrato da SPDM com a prefeitura, essa Casa irá apurar”, garantiu na tribuna.
Isso não aconteceu e a SPDM vem realizando a gestão das unidades emergenciais do município de forma duvidosa.

O prefeito reabriu recentemente o local onde ficava o Pronto Socorro Akira Tada. Mas em forma de Centro de Especialidade. De acordo com o prefeito, a saúde de Taboão tem problemas que precisam ser enfrentados e que seu governo vem priorizando os investimentos e não poupou críticas a oposição. “Comparar o pronto Socorro do Akira Tada com o atendimento na UPA beira a insanidade mental. Mostra uma vontade de criticar sem limite. Não resolvemos todos os problemas de saúde. Mas, não dá pra negar que temos a melhor saúde da região. Eu visito os serviços toda semana e 30% dos atendimentos feitos nas nossas unidades de saúde são de pessoas de fora”, observou.
A assessoria de comunicação da prefeitura não respondeu ao jornal.

Propaganda

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*