Ídolo do Corinthians torna-se treinador do Cats por um dia

0
113

Marcelinho Carioca foi o primeiro ex-jogador a participar da nova iniciativa do Cats: o técnico temporário, ou rotativo. O Pé de Anjo deu palestra, falou sobre sua carreira, conversou com o elenco que disputará a Segunda Divisão Paulista e, claro, ensinou como cobrar faltas

Por Felipe Oliveira

O "Pé de Anjo da Fiel", Marcelinho Carioca, no Estádio Municipal José Ferez, primeiro técnico rotativo do Cats,  trabalhou jogadas ensaiadas, cruzamentos e chutes de fora da área
O “Pé de Anjo da Fiel”, Marcelinho Carioca, no Estádio Municipal José Ferez, primeiro técnico rotativo do Cats, trabalhou jogadas ensaiadas, cruzamentos e chutes de fora da área
Em tempos de crise técnica no futebol nacional, o Cats lançou, na última semana, uma ideia inovadora no meio esportivo: o treinador rotativo. A ideia, basicamente, é composta por trazer grandes ídolos do nosso futebol para ensinar fundamentos específicos a cada setor da equipe. O primeiro deles foi o Pé de Anjo da Fiel, Marcelinho Carioca.

A ideia surgiu de Edílson. Em sua apresentação, o pentacampeão já havia comentado que iria apresentar essa proposta ao presidente Anderson, pois tem grandes amigos da bola que, com certeza, se colocariam à disposição para ajudar.
“Quando eu contratei o Edílson, ele veio para um projeto todo do clube”, disse Nóbrega, ao UOL Esporte. “Ele me trouxe a ideia do treinador rotativo. O futebol está muito chato, a gente precisa trazer coisas novas, mesmo sendo um clube pequeno”, finalizou.

Como não poderia deixar de ser, Marcelinho ensinou alguns atletas, como o jovem atacante Caio, artilheiro da equipe na vitoriosa campanha do Paulistão Sub-20 da Segunda Divisão, ano passado, a bater faltas. O atleta teve um bom desempenho.

A atividade, ao todo, durou cerca de 30 minutos, na qual o ex-camisa 7 do Corinthians trabalhou jogadas ensaiadas, cruzamentos e chutes de fora da área, outra especialidade sua nos tempos áureos de Timão. Edílson e Marcelinho também relembraram os bons tempos de parceria em algumas jogadas, com foco na capacidade de improviso dos jogadores do Taboão.

“Atualmente, os atletas chegam ao profissional sem os fundamentos necessários para jogar, como dar um passe, chutar a gol. Este projeto do treinador rotativo serve para trabalhar isso, além da individualidade e criatividade dos jogadores. É importantíssimo aprimorar a qualidade técnica, que, atualmente no futebol brasileiro, foi esquecida”, disse Marcelinho.

O próximo jogador a desempenhar o papel de treinador rotativo deve ser o ex-zagueiro Mauro Galvão, ídolo do Vasco da Gama. Nomes tarimbados no cenário futebolístico, como Rogério e Vampeta, ambos amigos pessoais do Capetinha, devem participar do projeto em breve.

Propaganda

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*