Eduardo Lopes é acusado de extorsão e a Justiça vai investigar o crime

0
40

CEI está sendo usada para prática de crime de extorsão. Aprígio pede a Justiça para investigar o caso

Aprígio afirma que Lopes tenta extorquir-lo desde 2014.  Lopes estaria usando a CEI para chantagear Aprígio
Aprígio afirma que Lopes tenta extorquir-lo desde 2014.
Lopes estaria usando a CEI para chantagear Aprígio
Cansado de ser chantageado e ameaçado de extorsão, o presidente da Cooperativa Habitacional Vida Nova, José Aprígio da Silva resolveu representar criminalmente o vereador e presidente da Comissão Especial de Inquérito – CEI instalada na Câmara Municipal para investigar supostas irregularidades em área de desdobro da Cooperativa, Eduardo Lopes (PSDB). A representação aconteceu na tarde de segunda-feira, 20, no Fórum de Taboão da Serra. Lopes agora passa a ser investigado pelo Promotor de Justiça com a suspeita de estar ameaçando de extorsão Aprígio desde 2014. Logo após o protocolo, Aprígio concedeu uma entrevista exclusiva para o Jornal Hoje em notícias.

Na Notícia Crime, Aprígio denuncia de forma contundente a extorsão. Documentos comprovam que Eduardo Lopes esteve na Cooperativa diversas vezes sem explicação, pois para Aprígio não havia motivo para tanta visita. “Ele não mantém nenhum vínculo com a Cooperativa”, disse Aprígio. Ele ainda afirmou na representação que o vereador Eduardo Lopes, tentou constrangê-lo e forçou um pedido “dar um apartamento”, e mais uma quantia em dinheiro, pois do contrário, Lopes iria propor uma investigação parlamentar contra a Cooperativa.

“A promessa de dano, consistia na demolição da IMAGEM PESSOAL do NOTICIANTE [Aprígio], e por via transversa, da COOPERATIVA por ele presidida, criando suspeitas acerca de seu funcionamento, e por conseguinte, prejuízos incalculáveis” relata a representação.

Aprígio afirma que as ameaças não param; segundo a representação, em abril de 2015 Lopes servindo da condição de Presidente da Comissão de Obras, da Câmara Municipal, não conseguiu sucesso nas ameaças, deu início ao seu plano, e iniciou uma investigação sobre a Cooperativa, mas ainda desta vez, não conseguiu seu objetivo.
O documento diz ainda que Eduardo Lopes fez um requerimento para a abertura de uma CEI – Comissão Especial de Inquérito contra a Cooperativa com o mesmo objetivo. “Um ano depois, conseguiu as demais assinaturas, dando assim início ao seu projeto criminoso: foi então instaurada uma CEI contra a COOPERATIVA HABITACIONAL VIDA NOVA, e por mais incrível que possa parecer, o NOTICIADO foi nomeado PRESIDENTE”, relata a representação.
A pena para esse delito é de quatro a dez anos de reclusão e multa.

Aprígio afirmou que resolveu fazer a representação porque o vereador está passando dos limites. “Esse cidadão tem que ser preso, ele passou dos limites. Acha que como vereador pode sair extorquindo todo mundo. Agora vou até as últimas consequências, quero que a Justiça investigue esse rapaz que está me ameaçando desde 2014”, garantiu Aprígio.

Perguntado por que não fez a representação antes, Aprígio foi enfático: “Eu não levava a sério, achei que seria uma brincadeira. Eu não conheço esse rapaz. Ele veio aqui, na Cooperativa pediu o apartamento por que não tinha casa para morar e que queria já que eu tinha muitos apartamentos aqui. Não levei a sério. Agora, olha o que deu?”, indagou.

Eduardo Lopes também teria pedido uma quantia em dinheiro. “O cara é louco, ele veio aqui e pediu uma quantia volumosa para me apoiar na campanha de 2014, onde fui candidato a deputado federal. Ele estava transtornado, queria, porque queria o dinheiro. Eu mandei embora, porque não é assim que se faz campanha política”, narrou Aprígio com muita precisão nos detalhes.

Eduardo Lopes, também foi acusado de pressionar o presidente da Cinpal, Victor. Há indícios que o vereador, enquanto presidente da Comissão de Obras teria ido até as obras da empresa que acontecem na avenida Laurita Ortega Mari, no Parque Pinheiros, para tentar embargar a obra. Mas, não conseguiu.
]
Aprígio garante que vai depor na Comissão especial de Inquérito – CEI se Lopes sair. “Eu não tenho nada contra três vereadores que compõe essa Comissão. Mas, o Eduardo Lopes e o Marco Porta (PRB)… Não converso. O Porta foi excluído do quadro de cooperados e não gosta da Cooperativa”. Perguntado qual o motivo, Aprígio pediu para falar com o vereador. Até o final dessa reportagem não conseguimos entrar em contato com o vereador Marco Porta. Eduardo Lopes também não foi localizado para comentar a representação.

Propaganda

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*