Dilma reúne mais de 5 mil pessoas em ato pró Minha Casa Minha Vida e contra o Golpe no Jd. Salete

0
238

Em discurso, petista ataca presidente interino Michel Temer de tentar destruir o programa habitacional

Por Ana Rodrigues

Dilma Rousseff durante visita condomínio João Cândido e Ato em Defesa do MCMV Entidades e Contra o Golpe.  Foto: Roberto Stuckert Filho/PR
Dilma Rousseff durante visita condomínio João Cândido e Ato em Defesa do MCMV Entidades e Contra o Golpe.
Foto: Roberto Stuckert Filho/PR
O ato a favor do programa Minha casa Minha Vida, aconteceu na tarde de sexta feira, 08, no Jd.Salete em Taboão da Serra, e contou com a presença da presidenta Dilma Roussef, e lideranças regionais Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e do Movimento Sem Terra (MST), como o coordenador nacional do MTST, Guilherme Boulos, o vereador da cidade de São Paulo Nabil Bonduki (PT) e o ex-vereador e líder do movimento de Taboão da Serra, Paulo Félix.

Em defesa do programa Minha Casa Minha Vida, o ato levantou uma bandeira especial para a modalidade Entidades, que está ameaçada pelos cortes do governo interino, e dos anúncios de ataque a direitos e programas sociais. Cerca de 5 mil pessoas participaram, entre elas avistas dos movimentos sociais.

O local escolhido para a manifestação, foi segundo os organizadores muito emblemático, o Condomínio João Cândido, resultado da gestão direta pelo Movimento, tem os maiores apartamentos do Minha Casa Minha Vida faixa 1 do país, com três dormitórios, varanda e elevador, o conjunto de 384 unidades foi entregue em 2014.

“Este apartamento é o maior de todos do programa, com até três dormitórios, visitei alguns e pude ver a qualidade. Este golpe é a favor do retrocesso, contra os direitos do povo e contra os movimentos sociais. Já está havendo resistência da nossa parte e ela vai se intensificar ainda mais”, afirmou o ativista político e social Guilherme Boulos.

Paulo Félix também discursou e defendeu o movimento de moradia, as políticas públicas e sobre as milhares de famílias que sonham em ter a casa própria, afirmou: “ninguém vai recuar do seu sonho”.

Vagner Freitas, presidente da CUT também compareceu, e em seu discurso disse: “esse governo golpista tem nojo da gente porque pegamos um metalúrgico nordestino e transformamos em presidente da república. A culpa da inflação não era da Dilma? Olha o preço do feijão!”, alertou.

Dilma cumprimentou e parabenizou os ativistas do MST e MTST e disse estar muito feliz de ter sido convidada para este ato. ”Estou muito feliz de estar aqui, fui convidada pelo Boulos pra construir a caminhada para nosso povo ter acesso à moradia, uma conquista muito grande. Desde 2009 lutamos pela habitação, por milhares de brasileiros que nuca tiveram a oportunidade de ter uma casa”, enfatizou.

Ela falou também sobre a qualidade da construção dos prédios do Condomínio João Cândido, “quero mais uma vez ressaltar a qualidade da construção, e dizer que supera todas as demais que eu vi no Brasil.” E mandou um recado para a imprensa: “é importante divulgar que aqui tem um trabalho muito bem sucedido”.

Dilma afirmou ainda que antes do impeachment, uma das preocupações era fazer o Minha Casa Minha Vida, com o dinheiro dos impostos dos trabalhadores. E sobre o governo Temer afirmou: “eles nunca fizeram, nunca se interessaram na questão de moradia para os mais pobres”, e citou ainda sua indignação sobre a proposta da indústria, de mudar as leis trabalhistas, com jornadas de trabalho de 8 horas.

Sobre a renúncia de Eduardo Cunha, Dilma fez uma ironia. “Mulher não renuncia, porque mulher não sede a luta”, afirmou a petista relembrando a pressão que sofreu para ela renunciar e disse que jamais faria isso porque recebeu R$ 54 milhões de votos.

Propaganda

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*