ACERVO: Metrô em Taboão da Serra, Sonho ou realidade?

0
348

Acervo – hoje online | Publicado originalmente em 16 de Dezembro de 2003

[divider]

A proposta da prefeita Marta Suplicy é expandir a linha 4 do Metrô até Taboão.
O objetivo é impedir a circulação de ônibus intermunicipais no corredor da Francisco Morato

A construção da  Linha 4 do Metrô (Amarela)  parece que finalmente pode sair do papel. Pela primeira vez nos últimos 10 anos, tanto o governo do Estado como a prefeitura da Capital vêm manifestando interesse pela obra. Em várias entrevistas, o governador Geraldo Alckmin vem admitindo que o Metrô Vila Sônia poderá ter sua construção iniciada ainda em 2004.
A construção da
Linha 4 do Metrô (Amarela) parece que finalmente pode sair do papel. Pela primeira vez nos últimos 10 anos, tanto o governo do Estado como a prefeitura da Capital vêm manifestando interesse pela obra. Em várias entrevistas, o governador Geraldo Alckmin vem admitindo que o Metrô Vila Sônia poderá ter sua construção iniciada ainda em 2004.
A construção da Linha 4 do Metrô (Amarela) parece que finalmente pode sair do papel. Pela primeira vez nos últimos 10 anos, tanto o governo do Estado como a prefeitura da Capital vêm manifestando interesse pela obra. Em várias entrevistas, o governador Geraldo Alckmin vem admitindo que o Metrô Vila Sônia poderá ter sua construção iniciada ainda em 2004.
Por outro lado, a prefeita de São Paulo, Marta Suplicy já sinalizou com a destinação de recursos financeiros para a obra, através das operações urbanas Faria Lima e Vila Sônia, com um valor inicial da ordem de R$ 100 milhões.

Promessa de Alckmin

Na visita a Taboão da Serra no domingo, 23 de novembro, quando inaugurou o Piscinão da BR-116 (ao lado do campo da Portuguesinha), o governador Geraldo Alckmin considerou a obra do Metrô Vila Sônia “uma medida muito inteligente em termos de custo-benefício”. O governador disse que o metrô na região poderá beneficiar diretamente os moradores de Taboão da Serra, Embu e cidades vizinhas.
Mas, a prefeitura de São Paulo tem interesse na obra também pensando na questão do tráfego urbano e na reorganização do sistema viário da Capital, projeto este que encontra-se em andamento. Já está sendo construído na Avenida Francisco Morato o novo corredor exclusivo de ônibus, onde só serão permitidos veículos com a chamada Porta Esquerda, de linhas municipais.

Problemas para os ônibus de Taboão e Região

Todos os ônibus intermunicipais da Região com destino a Pinheiros passarão a ser impedidos de circular na Francisco Morato, quando o corredor exclusivo de ônibus municipais estiver concluído. A SPTrans está ‘oferecendo’ a alternativa dos ônibus intermunicipais, de trafegarem pela Avenida Eliseu de Almeida, o que prejudicaria em muito os usuários de Taboão da Serra e outras cidades, que descem justamente na Francisco Morato. No futuro, a Capital pretende impedir que ônibus de outras cidades circulem livremente de qualquer ponto para a área mais central da cidade. A alternativa seria a dos Terminais de Transferência e as interligações com estações de trem e Metrô, daí o interesse da Prefeitura de SP no ramal Vila Sônia da Linha Amarela.

Projeto de Lei prevê Metrô até Taboão

As intenções da prefeita Marta Suplicy de apoiar a construção do Metrô, desta vez não ficaram somente na palavra. Está em votação na Câmara de São Paulo a nova legislação de uso e ocupação do solo urbano da Capital. De acordo com o artigo 43 da nova Lei dos Planos Regionais Estratégicos das Sub-Prefeituras, são definidas como intervenções na rede estrutural de transporte público, entre outras prioridades, “implantar a linha 4 do Metrô, ligando a Sub-região oeste da RMSP, passando pela avenida Ipiranga, Consolação, Rebouças, centro de Pinheiros, avenida Francisco Morato, passando pelo centro da Vila Sônia até Taboão da Serra”.
Além deste dispositivo, que vai além do projeto do governo estadual, levando o Metrô efetivamente até Taboão da Serra, o projeto de Marta Suplicy prevê ainda, em seu artigo 47, inciso IV, “promover gestões junto ao Metrô para quando da implantação da Linha 4, realizar aproveitamento urbanístico de áreas remanescentes de desapropriação, ofertando espaços de uso coletivo equipados para o convívio”.

O mapa do Anel Viário dos Transportes no Município de São Paulo
O mapa do Anel Viário dos Transportes no Município de São Paulo

Polêmica no terreno do Jóquei

A associação de Combate às Enchentes no Pirajuçara e Poá – CEEP, está protestando junto à Câmara de São Paulo contra o uso do terreno do Jóquei Clube, próximo à divisa de Taboão, para uso residencial. A prefeitura de São Paulo, que desapropriou o terreno, pretende derrubar a mata existente no local, para construir 16 prédios destinados a famílias de baixa renda que serão deslocadas das favelas na região do Real Parque.
Segundo Djalma Kutxfara e Elizabeth Mendonça Rodrigues, da CEEP, a construção de moradias para mais de 1000 pessoas na região do córrego Pirajuçara pode agravar ainda mais o problema de enchentes na divisa de São Paulo com Taboão da Serra, já que uma grande área verdade, de 150 mil metros quadrados vai ser desmatada e impermeabilizada, para a construção dos 16 prédios previstos pela Prefeitura. Além disso, o esgoto dessas centenas de casas também acabará aumentando o volume de despejo de água no Pirajuçara, justamente no ‘gargalo’ da canalização da Avenida Elizeu de Almeida. Para eles, a construção do Piscinão do Pirajuçara acabará sendo anulada pelo adensamento do local, ainda mais com a possibilidade da vinda do Metrô até Taboão da Serra.

Analice, de ‘carona’ no Metrô

Aproveitando a presença do Governador Alckmin em Taboão da Serra, a deputada estadual Analice Fernandes defendeu a construção do Metrô Vila Sonia, Linha 4. A deputada não chegou a reivindicar a extensão do Metrô até Taboão da Serra, como é a intenção da Prefeita Marta Suplicy.
A deputada pleiteou “a viabilidade de uma estação de embarque e desembarque no pátio de manobras da Linha 4 do metrô que ficará localizado na Vila Sônia. Ela vai ficar a 2 quilômetros de Taboão. Esta estação será uma das prioridades do meu mandato. O metrô pertinho vai trazer mais desenvolvimento para a nossa região”, disse Analice Fernandes.
O prefeito Fernando Fernandes lembrou que essa estação no pátio de manobras da Linha 4 do Metrô vai coroar o projeto de desenvolvimento de toda a região Sudoeste, que começou com as canalizações e limpezas dos córregos e os piscinões. ” Esses investimentos em infra-estrutura trouxeram uma série de empreendimento para Taboão da Serra. Esta estação do metrô praticamente na cidade, trará novas oportunidades para todos os municípios próximos do final da Linha 4″, conta Analice.
Ocorre que nos planos do Governo do Estado já existe a previsão da construção da Estação Vila Sônia. A carona no projeto estadual poderia ser acompanhada, pelos nossos políticos (Prefeito e Deputada) de uma proposta mais ousada, propondo, por exemplo, o Metrô efetivamente até a cidade de Taboão da Serra, para uma futura extensão pela BR-116 (metrô de superfície ou aéreo, nos moldes do ramal Capão Redondo), pelo menos até Embu das Artes.

Leia a edição impressa

Edição 47 do Jornal Hoje em notícias – 16/12/2003
Edição 47 do Jornal Hoje em notícias – 16/12/2003

Propaganda

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

*